10/08/2013

Pai Mata Filho, culpado ou inocente?

Pai e filho
"PAI MATA FILHO" - história contada por Divaldo Franco

Divaldo conta uma história real, que leu na revista Seleções, escrito pelo próprio autor da tragédia: O PAI.

Este contou que dava tudo ao filho. Mudou-se de casa para dar-lhe mais conforto, piscina, brinquedos, etc. Mas para proporcionar tudo isso teve que trabalhar mais e, consequentemente, ausentar-se mais.
O filho foi crescendo, e cada vez que o pai chegava de viagem, a esposa tinha uma novidade do filho. Mas o pai sempre achava que era “coisa” da esposa. Ela chegou a pegar droga no quarto do filho, e o pai dizia que era normal, que todos experimentam droga um dia. E quando conversava com o rapaz, este sempre tinha uma desculpa. Ele dizia que experimentou, mas não gostou, ou dizia que a droga não era dele, enfim, “enganavam-se.”

Um dia, o pai ao voltar de viagem, soube que o filho estava na UTI de um hospital, porque havia tomado um over dose, ele era um toxicômano.
Então, após alguns dias, o rapaz recebeu alta hospitalar, mas a família foi alertada que, se o rapaz continuasse a usar drogas, morreria em poucos meses.

Os pais redobraram a vigilância e cuidado com o filho. Mas, um dia, o filho pediu a chave do carro. Os pais disseram que não dariam, pois ele não estava bem, e poderia matar alguém no trânsito. O filho começou a gritar, exigir e ameaçar. O pai correu até o quarto, pegou uma arma e voltou até onde estava a discussão. O filho correu até a cozinha, pegou uma faca e avançou sobre os pais. O pai gritou e disse para que o filho não avançasse, porque ele seria obrigado a atirar. O rapaz alterado disse para o pai matá-lo, mas antes mataria os dois e pegaria a chave do carro. Quando o rapaz avançou, o pai atirou. O filho caiu, e morreu.

O pai foi ao tribunal, e lá disse que matou porque se não matasse outros inocentes morreriam. Disse também que ele e a esposa mereciam morrer, pois não souberam educar, e que criaram um monstro. E por fim, afirmou perante o júri que estava triste, transtornado, mas não estava arrependido do que havia feito. Este pai foi absolvido unanimemente. 

Mas, até hoje ele se pergunta: 

“Onde eu errei?”

Divaldo, então, disse: O pai da história não era um pai, era um fornecedor, era uma empresa que dava coisas. Porque o pai e a mãe não são empregados dos filhos ou empresas fornecedores de coisas, são “educadores”. Deus confia a alma para a pessoa poder dignificá-la, para educá-la, para protegê-la de si mesmo (não deixando aflorar os erros, as falhas e vícios do passado, para que ela não erre novamente), e não para sobrecarregá-la de coisas vãs, que irão conduzi-la para um estado patético (como no caso do toxicômano).

Nessa narrativa, não se ouviu uma vez sequer o pai dizer o nome de Deus, ou que ele colocou o filho no colo e o ensinou a oração dominical, para que ele conhecesse o Pai dos pais. Não podemos nos atrever a dizer que o pai errou, mas podemos dizer que faltou no seu programa de educação a auto doação e a educação religiosa. Porque a família é um grupo social, onde aprendemos os nossos direitos e nossos deveres. Na família, os pais tem deveres para com os filhos e os filhos além de respeito para com os pais, tem deveres com eles, mesmo quando são injustos. Porque os filhos têm a tarefa de construir o seu porvir, e mais tarde ser o que o pai não foi para ele.

Com a visão reencarnacionista, podemos entender as diferenças de comportamento, e o nosso compromisso fica mais claro. Nós não nos juntamos dentro de um lar por acaso. Por isso, a proposta do Espiritismo é que: “O MELHOR É VIVER EM FAMÍLIA, APERTE ESTE LAÇO.”

Deixo esta reflexão a todos que são pais:

 Será que estamos sendo pais ou fornecedores? O que você pensa sobre isso?

7 comentários:

  1. Estou comovida com a historia e principalmente qdo diz que o pai foi fornecedor e não educador...nossa é a mais pura vdd, adorei esse texto um dos melhores posts que li até hoje, parabéns por dividir com seus seguidores.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que,muito mais importante do que TER,é SER. Um pai deve estar o máximo de tempo possível presente,dando bons exemplos,porque ele é o modelo do filho.Deve ter a coragem de dizer NÃO,para ele se acostumar com a frustração. A vida não é um mar de rosas, mas podemos sempre tê-las sem nos picarmos nos seus espinhos.
    Segundo J.S.Nobre:«TER é transitoriedade que passa correndo,sem deixar marcas da sua presença. Melhor,muito melhor é o verbo SER que,esse sim,«essencializa» a permanência dos valores maiores da personalidade humana: os espirituais e morais.SER é essencial. TER é acidental.Preocupe-se sempre com ser bom,justo,feliz. Isso é muito mais importante do que viver preocupado com ter, com somar, com multiplicar.»
    Fez muito bem ter colocado esta notícia na primeira pessoa e,depois,levar todos os leitores a refletirem.
    Tenha um ótimo dia.
    saudações da
    Beatriz
    BLOG - VIDA E PENSAMENTOS
    http://pegadasdeanjo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi,
    ♥Vim conhecer o teu cantinho, lindo demais!!! Sou nova no Agenda dos Blogs, estou te seguindo, aguardo vc lá no meu cantinho!!! ♥ http://beeartes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. OI! :)
    Vi seu blog na Agenda de Blogs e passei pra conhecer. Já estou seguindo!
    Aguardo sua visita no meu blog tbem.
    bjo,vir
    www.estantedeideias.com

    ResponderExcluir
  5. Muito triste isto já não controlamos mais os filhos nos dias de hoje..eles fazem o que querem e ainda acusa os pais e tudo mais..

    Um abraço

    Cristal

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!JESUS É O SENHOR!

    Quando eu pensei em colocar um ponto final,
    Deus acrescentou reticências e disse:
    "Continua, não é o fim."

    http://insondaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. "Oi , vi seu blog na lista do blog "Agenda dos blogs" vim conhecer e já estou te seguindo , vem seguir o meu também"
    http://izaartesecriacoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seu comentário e sugestões é sempre bem vindo. Fique na Paz !!!