03/02/2013

O anjo do orfanato

O anjo do orfanato

Até onde se deve estender o amor ao próximo? A célebre pergunta feita ao mestre Jesus: Quem é meu próximo? - prossegue para muitas mentes.

Para Chan, assistente social de Hong Kong, de trinta anos de idade, não havia dúvidas.

Anjo
Ela ouvira falar que as condições no orfanato de Nanning, na China, eram horríveis e decidiu ver pessoalmente.

Em agosto de 1992, ela conseguiu chegar até o diretor e ter sua permissão para explorar o local à vontade.

Ficou chocada com o que viu. Berços de metal enferrujado, onde bebês se amontoavam como sardinha em lata.

Subnutrição, brotoejas, choro, foi o que ela encontrou. Eram trinta e seis bebês, quase todos meninas. Essas são abandonadas na China com frequência, por causa da política do país de um filho único e a preferência de séculos por meninos.

Em verdade, os meninos que se encontravam no orfanato eram portadores de alguma deficiência.

Naquela noite, quando retornou ao hotel, ela levou uma das crianças consigo. Ao menos lhe daria uma noite de carinho. Cuidou de suas feridas e das assaduras. No dia seguinte, ao ter que devolver o bebê, sentiu o coração apertado.

Em média, quatro crianças eram abandonadas por dia naquele orfanato, onde a falta de recursos e 

funcionários fazia com que os atendentes dessem prioridade aos bebês saudáveis. Os fracos recebiam pouca atenção e quase não sobreviviam.

Chan pensou em sua infância feliz. Seus pais lhe ofereceram um lar acolhedor e ela teve formação universitária no Canadá. O senso moral lhe foi dado pelos pais.

Quando voltou a Hong Kong, decidiu. Deixaria o trabalho na creche e iria ajudar os órfãos de Nanning, embora isso significasse abrir mão de uma vida estável e de um emprego bem remunerado.

Chan sabia que muitos ocidentais esperavam ansiosos pela oportunidade de adotar uma criança. Nos meses que se seguiram, ela estabeleceu uma ponte entre a China e os Estados Unidos.

Então, relatórios de adoções ilegais levaram o governo de Pequim a proibir a adoção por estrangeiros.

Ela não desanimou. Passou a bater de porta em porta, procurando pessoas que desejassem levar crianças para os seus lares.

A missão era difícil, mas ela conseguiu sensibilizar algumas mulheres. Ela mesma passou a cuidar de alguns bebês, a fim de retirá-los da triste situação.

Em 1993, o decreto contra adoção foi revogado e ela prosseguiu em sua jornada de conseguir lares para os órfãos.

Dentre as primeiras mulheres, na China, que se dispuseram a abrigar uma criança abandonada, no programa da jovem Chan, havia uma cega de cinquenta e dois anos, que passara sua vida montando caixas de papelão em uma fábrica e era casada com um criador de porcos.

Chan se dedicou a administrar um orfanato que ficou conhecido como Amor de mãe.

O anjo do orfanato, como passaram a denominá-la, elegeu uma jornada de amor, agradecida pelo amor grandioso que ela recebeu de seus próprios pais.
* * *
Não limitemos nossa capacidade de amar e não nos permitamos afirmar que estamos sós ou em abandono. Saiamos em busca de alguém solitário e o amparemos.

Levemos para casa um filho alheio, em abandono, e o amemos.

O amor não tem limites e consegue superar obstáculos considerados intransponíveis.
Redação do Momento Espírita, com base no artigo O anjo do
orfanato, de Seleções Reader´s Digest, de janeiro de 1999.
Em 30.1.2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário e sugestões é sempre bem vindo. Fique na Paz !!!