03/06/2012

O velho pai


 O cenário é comum, a cena é singela. Num banco de jardim da casa estão sentados um homem idoso e um jovem.
O jovem lê o jornal, com atenção. O idoso parece imerso em algo indefinível. 
Então, um pequeno pássaro pousa no arbusto próximo e canta. O homem parece despertar e indaga:
O que é aquilo? – apontando com o dedo na direção da pequena ave.
O rapaz alça os olhos e diz, secamente: É um pardal.
A avezita saltita de um galho a outro e a pergunta se repete: O que é aquilo?
A resposta agora não é somente seca, mas também denota enfado: Já disse, é um pardal!
O pássaro voa do arbusto para a árvore, continuando na sua dança matinal.
O que é aquilo? – soa de novo.
Agora, o rapaz se irrita e quase grita: É um pardal!
A ave, feliz, prossegue no seu bailar. Alça voo e parece desaparecer. Poucos segundos passados e retorna ao chão, bicando aqui, saltitando acolá.
O homem leva a mão aos olhos, como se desejasse ajustar a visão embaçada e, com natural curiosidade, pergunta:
O que é aquilo?
O filho responde, em altos brados: É um pardal! Já disse: um pardal.
E soletra, aos gritos: P – a – r – d – a – l. Você não entende?
O homem se ergue, sobe os degraus, adentra a casa, lento e decidido. Pouco depois, retorna com um velho caderno nas mãos.
A capa é bonita, denotando que foi guardado com cuidado, como se guardam preciosidades.
Abre-o, procura algo, depois o entrega ao rapaz, ainda inquieto e raivoso.
Leia! – ele pede. E acrescenta: Em voz alta!
Há surpresa no moço, que lê pausada e cada vez com maior emoção: Hoje, meu filho caçula, que há uns dias completou 3 anos, estava sentado comigo, no parque, quando um pardal pousou na nossa frente.
Meu filho me perguntou 21 vezes o que era aquilo e eu respondi em todas as 21 vezes que era um pardal.
Eu o abracei todas as vezes que ele repetiu a pergunta, vez após vez, sem ficar bravo, sentindo afeição pelo meu inocente garotinho.
Então, o filho olha o pai. Há culpa e dor em sua alma.
Abraça-o, lacrimoso, beija-lhe a face, emoldurada pela barba por fazer.
Estreita-o, puxando-o para perto de si. E assim ficam: um coração ouvindo outro coração.
*   *   *
Cenas como essa acontecem todos os dias, em milhares de lares, em todo o mundo.
Nossos anciãos, de braços dados com Alzheimer, demência senil ou problemáticas outras, indagam, perguntam, questionam.
A memória recente lhes falha. Mergulhados em retalhos de lembranças do passado, não entendem porque recebem gritos como resposta.
Pensemos nisso! E se as lágrimas nos umedecerem os olhos, não tenhamos vergonha de abraçar com amor nosso velho pai, nossa mãe, vovó, vovô, madrinha, tia… Agora.

Redação do Momento Espírita com base na curtíssima
O que é aquilo?, de Constantin Pilavios,
da Movie Teller Films.
Em 08.06.2009.

2 comentários:

  1. Este texto encerra uma grande lição de vida.
    Muitas vezes na corrida da vida nos esquecemos do carinho que devemos aos mais velhos...

    Por vezes isso acontece logo após o casamento.
    Por força da nova vida não sabemos coordenar e ter a mesma atenção para os nossos pais.
    Parece que é natural

    ResponderExcluir
  2. Boa noite amigos! Que linda reflexão, quantas vezes nos falta a sensibilidade e a paciência em situações assim... Desejo um feliz finalzinho de domingo! Um abraço e sempre muita luz!

    ResponderExcluir

Seu comentário e sugestões é sempre bem vindo. Fique na Paz !!!

Refletindo ...


"NUNCA JULGUE,
APENAS COMPREENDA :
"RESPEITAR AS OPINIÕES DO OUTRO,
EM QUALQUER ASPECTO E SITUAÇÃO,
É UMA DAS MAIORES
VIRTUDES
QUE UM SER HUMANO PODE TER."