04/04/2012

A JUVENTUDE ESPÍRITA


A Missão da Juventude Espírita na América
Escreve: Humberto Mariotti (1905-1982)
Em: 1988
A JUVENTUDE ESPÍRITA E SUA RELAÇÃO COM
A APARIÇÃO DO ESPIRITISMO NA AMÉRICA 
A juventude espírita está indissoluvelmente ligada ao Espiritismo por causa de sua aparição na América, fato ocorrido em meados do século passado. Quer dizer que, por razões históricas e espirituais, está relacionada com a missão e o desenvolvimento do pensamento espírita no Novo Mundo. Mas este acontecimento não deve ser considerado com critério rotineiro e vulgar; ao contrário, exige uma interpretação dinâmica e vigorosa, uma vez que se quer responder com exatidão ao espírito criador da doutrina espírita. Este fato nos leva a reconhecer que os ideais espíritas ao terem sua base fenomenológica na América exigem a colaboração de homens e mulheres ativos e dinâmicos a fim de que se reconheça objetivamente o significado de sua missão espiritual e social no Novo Mundo. Pois só o fato de haver aparecido o Espiritismo na América está nos indicando o frescor idealista de seus princípios e qual deve ser o seu papel nestas terras. O haver aparecido na América significa progresso, renovação e cultura assentados sobre a base de uma vontade militante predisposta a impulsionar um novo modo de vida social e espiritual na vida de seus povos. E essa vontade militante requerida pela idéia espírita está, pois, na juventude espírita em cuja alma se acham as forças idealistas necessárias para impulsionar os ideais do Espiritismo frente às velhas concepções ideológicas.
A juventude espírita é a melhor herdeira desde o ponto de vista físico da mensagem espiritual proveniente do mundo invisível; por isso ela deverá se organizar adequadamente a fim de que o Espiritismo encontre na América os vigorosos porta-estandartes do que se organizou na Europa como a Codificação Kardequiana. A juventude espírita da América estará inspirada pela lei de progresso para estar sempre disposta a renovar as velhas concepções espirituais e fisiológicas. Poder-se-ia deixar estabelecido que a juventude espírita da América representa a face mais vibrante para que a evolução continental alcance estados superiores de consciência, que lhes permita conhecer o que é a América do ponto de vista espiritual e para onde se dirige em meio de tantas contradições sociais.
Só o fato de saber que o Espiritismo nasceu na América já é admitir que não é uma idéia estática e paralisada, uma vez que o Novo Mundo e seus fenômenos políticos e sociais não são outra coisa que vivas amostras de que representa uma nova idade para o espírito humano. Daí que a juventude encarnada em terras americanas deverá se erguer como uma legião de Espíritos renovadores a fim de responder às exigências progressistas do Novo Mundo.
O Espiritismo é uma idéia emancipadora e somente respondendo à lei de progresso é que se mostrará como uma nova força espiritual, destinada a mudar a face moral dos homens e dos povos. Para isto necessita do vigor mental e corporal dos seres que o abraçam e nada melhor que a colaboração e a ação da juventude espírita que, ao seguir o espírito filosófico da codificação kardequiana, nunca se deterá, nem permanecerá retida pela ação dos retardatários, isto é, por uma visão conservadora da vida e do conhecimento.
2 – A REENCARNAÇÃO E O SER HISTÓRICO DA AMÉRICA.
A América está enraizada por suas tradições com profundos conhecimentos espirituais que deram grande brilho a culturas como a maia, a azteca e a incaica. A idéia da evolução era conhecida por um bom setor de seus primitivos habitantes: o aborígene destas terras americanas – mas não desconhecia a lei da reencarnação nem as relações do Espírito encarnado com o mundo invisível. Vale dizer que o Novo Mundo possui uma predisposição psíquica e telúrica que o capacita para a assimilação das idéias espíritas, especialmente as relacionadas com a reencarnação. Não em vão, como vimos, o Espiritismo fez sua aparição na América do Norte, entre cujas tribos indígenas as idéias acerca de um mundo invisível regendo a vida do Ser não eram desconhecidas. Daí que a América é um continente cujo ser histórico se faz presente sobre a base da idéia das vidas sucessivas. O ser histórico da América não é um ente político e social sobre as tradições européias. Este ser histórico da América está vivo nas partes visíveis e invisíveis de suas culturas espirituais. Porque a América, com o advento em seu solo do Espiritismo, está em condições de reconhecer suas vidas anteriores, isto é, de saber que seu ser histórico constitui hoje o ser coletivo de que falou Kardec e que é o que lhe dá vigor e fisionomia às suas raças e territórios. É, pois, um excelente cenário para que as novas idéias espirituais se desenvolvam e dêem forma a um novo sistema social e religioso. Por estas razões o Espiritismo tem um grande papel a desempenhar na América, razão pela qual seus sustentadores e partidários deverão estar harmonizados com as grandes perspectivas que oferece a fim de responder às necessidades espirituais do continente americano. É aqui onde a juventude espírita da América encontrará uma notável oportunidade para semear as idéias espíritas e colocar à prova sua força moral na sustentação do Espiritismo em um mundo onde as tradições religiosas se crêem as únicas com direito a orientar homens e povos do ponto de vista espiritual e moral. As idéias da reencarnação são as mais eficazes para compreender a desigualdade política social das nações e dos Espíritos reencarnados. A juventude espírita mediante as luzes do Espiritismo deverá penetrar profundamente no ser histórico do continente. É preciso que tente a formação de um homem americano cujo moral se assente sobre o conhecimento da lei de causalidade, que deverá ser interpretada livre de superstições e fatalismos kármicos. Pois bem, é a juventude espírita da América que deverá mostrar a potência dinâmica da lei palingenésica, evidenciando com suas lógicas concepções que a reencarnação não é um instrumento reacionário para justificar a opressão de Espíritos e de povos.
Aqui, no Novo Mundo, a idéia palingenésica do homem e da vida se mostrará dinâmica e revolucionária do ponto de vista moral, demonstrando que a reencarnação é o sentido da história (como sustentamos em outras oportunidades) e que toda mudança espiritual se operará sobre as bases filosóficas de seus princípios.
A juventude espírita da América deverá encarar os velhos sistemas espirituais que pretendem ainda mover-se sobre concepções inadequadas para o progresso do homem. Deverá penetrar nos povos americanos afrontando os conseqüentes sacrifícios para lançar neles as sementes das idéias kardequianas. Pois sem sacrifícios não se conhecerá no Novo Mundo o que representa o Espiritismo para a vida moral e social. A juventude espírita é a encarregada de comunicar ao nosso continente a idéia de que o Espiritismo não é uma crença baseada em supertições e fanatismos, que há em seus princípios filosóficos a substância espiritual para fundamentar uma nova visão da vida e do universo.
O ser histórico da América está na essência mesma das manifestações mediúnicas que se produziram em Hydesville, Estados Unidos, em 1848. Disto deram provas as figuras mais representativas do Novo Mundo tais como Abrahão Lincoln, José Martí, Francisco Indalécio Madero, Bezerra de Menezes, Cosme Mariño e tantos outros mais que sentiram no fundo de suas almas a realidade espírita como uma nova expressão espiritual da verdade. A idéia dinâmica e progressista da reencarnação é a mais adequada para penetrar na essência das culturas continentais; por isso, a juventude deverá saber de agora em diante que a luta de classes passou a ser classes de luta, isto é, que as relações sociais não se moldam somente sobre bases políticas e econômicas, mas também por cima de todos os fatores filosófico-espirituais emanados dos determinismos individuais, uma vez que o ser coletivo não é a conseqüência de um processo material da história. Pois à luz da filosofia espírita, a história geral está formada pela história individual dos Espíritos reencarnados. E este tema, de fato, deverá ser meditado e estudado profundamente pela juventude espírita da América sobre as bases da codificação kardequiana e segundo o critério dos mais destacados pensadores do Espiritismo, tais como Léon Denis, Gustave Geley, Gabriel Gobrón, Manuel S. Porteiro, J. Herculano Pires, Deolindo Amorim, Santiago A. Bossero etc.
Sem a reencarnação a idéia do homem e da humanidade fica circunscrita a um breve presente físico e sem bases realmente morais. A América, como terra predisposta por suas tradições espirituais, é solo propício para arraigar e difundir seus princípios à luz da filosofia espírita. A juventude americana, com espírito idealista e visão posta no futuro, deverá trabalhar incansavelmente pela divulgação da idéia paligenésica do homem e da vida. Por isso deverá unir-se sobre as bases de sólidos princípios de confraternidade intercontinental e, conduzida pelo Espírito de Verdade, lançará a mensagem espírita na América considerando sempre que o Espiritismo é um livro imenso, aberto nas alturas, como o proclamou o grande poeta espírita espanhol Salvador Sellés.
3 – O IDEALISMO ESPIRITA E JUVENIL DE CAMILLE FLAMMARION
Camille Flammarion, o eminente astrônomo francês, chamado o Poeta dos Céus, deixou os fundamentos morais para um verdadeiro idealismo juvenil em quase toda sua produção filosófica e doutrinária. Era, pois, um espírito que abarcava uma filosofia antropológica baseada na evolução do universo. Falou até de um cidadão do universo com o qual contribuiu para a formação de uma sociologia cósmica que amplia a visão existencial do Ser. Foi um cientista idealista que acreditou nos valores morais da ciência; por isso suas atenções estiveram postas sobre a juventude, que considerou sempre renovadora e progressista. Escreveu livros que são verdadeiros testemunhos do que significa um idealismo dinâmico e juvenil, que vemos encarnados em Jorge Spero e em Iclea, e em Dargilan, o solitário, e a jovem Estela D’Ossian, ambos casais protagonistas respectivamente de suas obras intituladas, a primeira, Urânia e a segunda, Estela. Nas páginas destes livros é onde a juventude espírita deverá nutrir sua convocação militante a fim de ser fiel aos princípios de doutrina espírita. Em ambos livros, Camille Flammarion nos apresenta jovens estudiosos e idealistas que constituem verdadeiros paradigmas morais no que se refere ao caráter da juventude. Pois esta juventude sonhada pelo chamado Poeta dos Céus difere grandemente dessa outra educada sobre as bases de uma moral sensualista e agnóstica, emanada de uma sociedade cuja meta é a opulência e o materialismo. Pois bem, a visão idealista de Flammarion é a que deverá orientar a juventude espírita da América, uma vez que ela está relacionada com os grandes pensadores do Novo Mundo como Martí, José Ingenieros, Alfredo L. Palacios, José de Vasconcelos etc., todos eles mestres da juventude latino-americana.
Os princípios morais do idealismo juvenil de Flammarion estão baseados na imortalidade do Espírito e na pluralidade de mundos habitados e na pluralidade de existências de alma. É um idealismo realmente vivo e criador, que se afasta do anacrônico e conservador ao considerar que a verdadeira juventude está nas idéias renovadoras emanadas das almas que vivem a serviço da verdade. Jorge Spero e sua amiga Iclea, assim como Dargilan, o solitário, e sua companheira Estela D’Ossian são dois exemplos do que representa no meio de uma sociedade descrente e antiespiritual uma juventude mentalmente sã e com o entendimento aberto às mais belas causas da Verdade e da Beleza. Esta juventude urânica como a queria Flammarion é a que deverá se mover nos meios sociais e filosóficos da América, que estará sempre disposta a renunciar aos bens materiais e servir à causa da verdade espírita. Jorge Spero e Iclea, protagonistas do livro Urânia, têm uma correspondência espiritual com Efrain e Maria, os personagens principais da belíssima novela Maria, do grande escritor colombiano Jorge Isaacs. Estes jovens se apresentam com uma mesma aspiração moral no que se refere às vivências superiores da existência. São almas que querem deixar na terra uma marca que possa orientar, para as alturas do ideal superior, a juventude do mundo inteiro. Por isso é que o movimento juvenil da América deverá observar a essência viva e pura desses seres elevados que, ao estarem unidos pelo sublime das idéias, representam fontes de inspiração para o que chamamos a salvação espiritual da América.
As idéias de pluralidade de mundos habitados e da pluralidade de existências do Ser de Camille Flammarion são as bases mesmas da doutrina espírita e coincidem com as concepções teogônicas das antigas civilizações americanas. Além disso, estas duas pluralidades filosóficas são os dois pilares da filosofia urânica de Flammarion, baseadas na astronomia. Pode-se dizer que é a mesma cosmovisão filosófica e religiosa de Pierre Teillard de Chardin, que admite a evolução universal abraçando também essas duas pluralidades cosmofilosóficas.
A América se livrará desses sistemas anacrônicos que ainda pretendem governá-la quando a consciência de seu ser histórico seja reconhecida à luz do Espiritismo, como a de um ser coletivo pela reunião de numerosos Espíritos em virtude da lei de reencarnação. Portanto, a juventude espírita da América deverá assimilar esta cosmovisão filosófica e transmiti-la ao continente mediante sua práxis idealista, porque a verdadeira juventude do Ser é aquela que se sacrifica pelo Bem e a Verdade.
Tradução de Lygia Peres 

=================================================

 Nota do site Pense 
Texto publicado no jornal “O Espírita Fluminense”, de Niterói, edição de setembro/dezembro de 1988. O jornal abriu o artigo de Mariotti com o seguinte texto: 
“Publicamos pela primeira vez em língua portuguesa o último trabalho escrito por Humberto Mariotti, reconhecido poeta, escritor e orador espírita da Argentina. Desencarnado em 17 de maio de 1982, em Buenos Aires, Mariotti é sem dúvida alguma um dos baluartes do Espiritismo internacional. Publicado pela primeira vez na Colômbia, através da União Espírita Colombiana no ano corrente, surge agora em português “A Missão da Juventude Espírita na América”.

FONTE: http://viasantos.com/pense/arquivo/0145.html

POSTAGEM: 02:37

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário e sugestões é sempre bem vindo. Fique na Paz !!!