03/01/2012

Dom de Deus


Caridade – o doce alívio
 Àquele que pede à porta;
 Entretanto, além do amparo,
 A frase que reconforta; 

O socorro em que te mostras
 Onde o bem se faz preciso,
 Colocando em cada gesto
 A dádiva de um sorriso. 

Caridade – a paciência
 No apoio do braço irmão
 Que suporta o companheiro
 Na hora da irritação; 
O ouvido que escuta e cala,
 Cumprindo santo dever,
 Esquecendo tudo aquilo
 Que não se deve dizer. 

Caridade – a mente calma
 Da criatura sincera,
 Que ajuda sem reclamar,
 Que jamais se desespera; 

A voz que adoça pesares,
 Que não fere, nem se cansa,
 Vestindo a dor da verdade
 Na túnica da esperança. 

Caridade – dom de Deus,
 A bondade dividida,
 Será sempre, em toda parte,
 A luz que clareia a vida; 

Mas só fica onde trabalha
 E nunca aparece em vão,
 Quando nasce, vibra e serve
 Por dentro do coração.

Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caridade. Ditado pelo Espírito Manoel Monteiro. Capítulo 2.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário e sugestões é sempre bem vindo. Fique na Paz !!!